Manual de gestão da FI LILACS

De Wiki.bireme.org/pt
Revisão de 11h33min de 18 de agosto de 2011 por Luciano.ramalho (Discussão | contribs) (Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde)

Ir para: navegação, pesquisa

A fonte de informação LILACS - Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde, é produzida de forma cooperativa pelas instituições que integram o Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde .

Foi criada em 1985 para registro da literatura científica e técnica na área de Ciências da Saúde, produzida nos países da América Latina e Caribe a partir de 1982.

Os principais objetivos desta base de dados são o controle bibliográfico e a disseminação da literatura científico-técnica latino-americana e do Caribe na área da Saúde, ausente das bases de dados internacionais.

Contém artigos de periódicos, livros e séries monográficas, teses, manuais, relatórios técnico-científicos, documentos não convencionais, incluindo itens em suporte de áudio e vídeo.


Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

O Sistema tem por objetivo cooperar com o desenvolvimento da pesquisa, educação e atenção em saúde na América Latina e Caribe, colocando ao alcance da comunidade de profissionais da saúde informação científico-técnica produzida nacional e internacionalmente.

É coordenado pela Organização Pan-Americana da Saúde através da BIREME, centro especialmente criado para desenvolver o programa de informação em ciências da saúde da Organização.

O Sistema Regional é produto da integração de sistemas nacionais, cuja estrutura prevê um Centro Coordenador Nacional e uma rede descentralizada de Centros Cooperantes formada por bibliotecas e centros de documentação da área da saúde.

Ao Sistema também pertencem os Centros de Informação da sede da Organização Pan-Americana da Saúde, em Washington, os Centros especializados regionais da OPAS e os Centros de Documentação localizados nas Representações nos diferentes países.

Utilizando a Metodologia LILACS os países que integram o Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde criam bases de dados locais e nacionais e cooperam com a alimentação da LILACS, contribuindo com o controle bibliográfico e a disseminação da literatura científico-técnica da Região, no modelo de cooperação técnica estabelecido pela Biblioteca Virtual em Saúde.

  • Estrutura no âmbito de país
    • um Centro Coordenador Nacional (CCN) da Rede Nacional (para o Brasil a BIREME acumula também esta função);
    • um Grupo Técnico, composto por representantes dos Centros Cooperantes da Rede Nacional (CC);
    • um Comitê Assessor, integrado por autoridades de Saúde; e
    • Centro de Documentação da Representação da OPAS/OMS no país.
  • Estrutura no âmbito regional
- um Centro Coordenador Regional (BIREME);
- um Grupo Técnico, composto por representantes dos Centros Coordenadores Nacionais (CCN);
- Centros Regionais das Sub-redes especializadas em temas específicos;
- Centros Regionais Especializados da OPAS/OMS; e
- Biblioteca da Sede da OPAS/OMS em Washington. 


Estrutura.jpg (Fonte: Packer, 2005)


O Centro Coordenador para o Brasil é a BIREME, que atua também como Centro Coordenador Regional. As instituições interessadas em colaborar com a alimentação da base de dados devem entrar em contato com o Centro Coordenador no país. Veja [como tornar-se Centro Cooperante].

No âmbito do Sistema existem as sub-redes especializadas (redes temáticas) coordenadas pelos Centros Coordenadores Especializados, que formam uma rede de instituições de determinadas áreas que são responsáveis pela alimentação da LILACS com documentos dessas áreas específicas e pela criação e manutenção de bases de dados temáticas:


Papel, Compromissos e Divisão de responsabilidades dos membros do Sistema

Centro Coordenador Regional:

A BIREME atua como Centro Coordenador Regional do Sistema e seu papel é gerenciar todo fluxo de trabalho gerado para a contribuição de todos os países e bases institucionais e temáticas existentes na Região, bem como atuar politicamente como agregador de esforços institucionais e pessoais no sentido de integrar esforços para a produção de uma FI representativa da América Latina e Caribe.

São seus compromissos:

  1. Desenvolver e manter atualizada a metodologia LILACS para o desenvolvimento da fonte de informação LILACS;
  2. Oferecer, dentro de suas possibilidades, capacitação necessária para os profissionais técnicos dos Centros Coordenadores e Centros Cooperantes envolvidos no desenvolvimento da LILACS e ou operação de seus serviços;
  3. Oferecer sistematicamente e, dentro de suas possibilidades, material operacional atualizado para uso das metodologias da LILACS, como: manuais, tutoriais e guias;
  4. Oferecer sistematicamente e, dentro de suas possibilidades, aplicativos e tabelas de atualização para uso das metodologias da LILACS, como: aplicativo LILDBI-Web, tabela de títulos abreviados de revistas, descritores DeCS publicados no ano;
  5. Oferecer sistematicamente e, dentro de suas possibilidades, suporte metodológico e tecnológico para uso das metodologias da LILACS;
  6. Oferecer acesso regular online à LILACS e seus serviços desenvolvidos cooperativamente pela Rede, aos profissionais de saúde e público em geral;
  7. Publicar semanalmente a versão mais atualizada da FI LILACS.


Centro Coordenador Nacional (CCN) e/ ou Centro Coordenador Especializado (CCE):

Função normalmente desempenhada pelo Centro de Documentação do Ministério da Saúde do país. Em sua substituição, centros de documentação de universidades públicas e particulares atuam como CCN.

O papel do CCN é coordenar as iniciativas nacionais de fontes de informação na área das Ciências da Saúde e agregar instituições e pessoas em torno do esforço de produzir uma fonte de informação representativa da produção científica do país na LILACS.

São seus compromissos:

  1. Promover o acesso aberto e a visibilidade ao conhecimento em Ciências da Saúde gerado no país;
  2. Selecionar, reunir, organizar e disseminar a informação especializada na área de Ciências da Saúde;
  3. Coordenar, operar e promover o controle bibliográfico da liteatura científica e técnica publicada na área por meio de sua base institucional;
  4. Incentivar, gerenciar e fortalecer as atividades desenvolvidas por grupos, instituições ou comissões formados para o desenvolvimento de projetos. Os grupos podem ser compostos por profissionais de diversas áreas do conhecimento, desde que mantendo a inter-relação com as Ciências da Saúde;
  5. Efetuar, no país, campanhas de captação de documentos relativos a pesquisas e projetos, teses, manuais, normas técnicas, trabalhos apresentados em congressos, artigos de revistas, livros, assim como programas de computador, audiovisuais etc.;
  6. Alimentar o catálogo de revistas científicas com informações das coleções;
  7. Fornecer fotocópias dos documentos ingressados na rede, por meio do SCAD;
  8. Promover a capacitação / especialização dos integrantes da Rede a partir da troca de experiências mediada por listas de discussão, cursos, seminários, encontros e estágios nas bibliotecas participantes da Rede;
  9. Promover os serviços e produtos da rede em congressos, cursos, reuniões de associações profissionais, artigos em publicações especializadas etc. por meio de apresentações, folhetos, cartazes de divulgação, etc.;
  10. Estabelecer constante comunicação com os centros cooperantes através de visitas ou reuniões de coordenação;
  11. Ser o elo de ligação entre o centro coordenador regional e o país;
  12. Identificar e introduzir as instituições do setor à rede nacional;
  13. Promover, coordenar e/ou incentivar a criação de uma infra-estrutura nacional de serviços de informação, com o apoio da direção das instituições participantes;
  14. Resgatar as informações do país existentes nos centros cooperantes e ainda não ingressados na rede;
  15. Realizar a avaliação e seleção de periódicos em nível nacional com a participação ativa do Comitê;
  16. Constituir Comitê de avaliação e seleção de periodicos LILACS no país com o intuito de garantir a qualidade científica da coleção.

Não necessariamente o Centro Coordenador Nacional para a Rede LILACS é o Coordenador da BVS Nacional, no entanto é recomendada a participação do coordenador do CCN da Rede LILACS que integre o Comitê Consultivo da BVS Nacional.


Centro de Documentação da Representação da OPAS/OMS no país:

São as bibliotecas e centros de documentação da OPAS/OMS no país que tem a missão de auxiliar o CCN seja no âmbito político, estratégico como técnico. Também pode desempenhar funções de CC com o envio de registros de seu acervo, bem como cooperar com o repositório institucional da OMS com a produção de sua representação.

Além do Centro de Documentação da Representação, outros Centros de Documentação tomam parte da rede como Centros de Documentação de Centros de Referência da OPAS.


Centro Cooperantes (CC) e/ou Centros Cooperantes Especializados:

São bibliotecas, unidades ou centros de informação de universidades, associações, sociedades, etc., responsáveis por angariar a produção científica da instituição e da área, descrevendo e indexando de forma mais específica possível de modo a primar pela qualidade dos dados fornecedidos para a pesquisa científica.

São seus compromissos:

  1. Selecionar, reunir, organizar, disseminar e manter atualizada a fonte de informação (LILACS e, caso possua, base local);
    1. Monografias, teses e documentos não-convencionais deverão ser processados aqueles relacionados à área de atuação da instituição bem como aqueles produzidos pela seu corpo de profissionais/docentes;
    2. Títulos de periódicos deverão ser processados somente aqueles cuja publicação tenha sido previamente indicada pela BIREME ou Centro Coordenador Nacional;
      1. Nota: quando necessário, sob consulta, em comum acordo entre as partes e sem prejuízo para o atual convênio, será atribuida a responsabilidade de indexação de novos títulos de periódicos, mesmo que o assunto não faça parte da área de atuação da instituição onde a Biblioteca se localiza;
      2. Nota: Para a realização da indexação dos títulos de periódicos o editor enviará gratuitamente os fascículos aos Centros Cooperantes;
  2. Promover o intercâmbio de publicações entre os integrantes da rede, visando a atualização e ampla cobertura temática das coleções nas bibliotecas;
  3. Promover capacitações quanto as ferramentas de pesquisa;
  4. Contribuir, quando necessário, para o treinamento de pessoal de outras bibliotecas da Rede quanto à utilização da metodologia LILACS para processamento bibliográfico;
  5. Atualizar periodicamente os aplicativos utilizados para o processo de descrição e indexação com a sua versão mais atualizada e atualizar tabelas de títulos abreviados de revistas LILACS e descritores DeCS.

Fluxo para entrada e integração de instituições no Sistema

Para a formalização da entrada e integração de novos Centros Cooperantes ou a troca do Centro Coordenador Nacional é necessário seguir os seguintes passos:

  1. Requerimento de estabelecimento de convênio entre a instituição e a BIREME. Contato: lilacs@bireme.org;
  2. Após contato inicial será fornecido o contrato de convênio e formulário de diagnóstico da instituição para ser respondido;
  3. A documentação será avaliada pelas gerências considerando as possibilidades de cooperação considerando a coleção da instituição e os serviços que ela pode prestar à comunidade da BVS;
  4. Em específico, para a unidade LILACS será considera a capacidade de infraestrutura, recursos humanos disponíveis para a instalação do aplicativo necessário e capacitação para o início da contribuição para a LILACS;
  5. Além de contribuir com registros de seu acervo, o CC poderá ser convidado a indexar periódicos LILACS;
  6. O contrato de convênio será devolvido à instituição para assinatura de ambas as partes;
  7. Documentação pronta, serão instalados os aplicativos e os colaboradores envolvidos serão capacitados para o início da cooperação.


As subredes temáticas também podem incluir Centros Cooperantes conforme contratos e convênios estabelecidos conforme os modelos apresentados para as instituições no nível nacional.

Cenário de inserção da FI LILACS

A LILACS é o principal índice da produção científica da área de Ciências da Saúde na América Latina e Caribe e é considerado como indicador de qualidade para periódicos na Qualis e é o índice representante da Região para a iniciativa Global Health Library.

Contribuicao.jpg

Figura 2: Distruição da contribuição para LILACS

Atores e interessados no processo de indexação e inserção de dados na LILACS

Dentro do ciclo de produção da LILACS vários atores e interessados são identificados e também a BIREME, como produtora da LILACS, necessita de esclarecimentos e definição de responsabilidades dessas partes.

Notadamente na publicação de periódicos o seu fluxo envolve vários atores que agem e interferem na qualidade da publicação e na rapidez de sua inclusão na LILACS.

Interessados.jpg (Fonte: Packer, 2005)

Figura 3: Fluxo de publicação de um fascículo de periódico.


Autor: Maior interessado na rápida publicação do artigo em função de sua avaliação baseada na quantidade e qualidade de sua produção intelectual e, somado a isso, sua inclusão na LILACS aumenta a visibilidade e o acesso aos resultados da pesquisa realizada aumentando seu impacto. Nesse sentido, os autores buscam publicar sua produção intelectual em periódicos indexados em bases de dados e bem avaliados pela Qualis.

Dentro do fluxo de publicação LILACS o autor deve sempre:

  • Informar o editor quanto a publicação de dados incorretos de modo a solicitar a publicação de errata nos números subsequentes a sua publicação para que seja realizada a correção na LILACS;
  • Primar pela correção nos dados da pesquisa e sua submissão ao comitê de ética da instituição, bem como prover declaração de inexistência de conflito de interesses e fontes financiadoras de sua pesquisa;
  • Registrar seu estudo de ensaio clínico no [www.ensaiosclinicos.gov.br/ Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos] tão logo seja aprovado o início da execução da pesquisa;
  • Esclarecer dúvidas geradas pela publicação de sua pesquisa.


Editor: pesquisador experiente que busca promover a área de atuação do periódico publicando os melhores artigos da área com vistas a publicar as mais recentes pesquisas, cobrindo o cenário científico da área em questão. A qualidade do periódico muitas vezes é medida pelo número e qualidade das indexações em bases que o periódico conseguiu angariar no período de sua existência, seguindo o fluxo: indexar o periódico em bases temáticas e institucionais e o Google Scholar => Latindex => LILACS => Scopus => SciELO => MEDLINE => ISI.

Dentro do fluxo de publicação LILACS o editor deve sempre:

  • Assegurar a confiabilidade e confidencialidade do processo de avaliação por pares dos artigos submetidos;
  • Assegurar a publicação do periódico conforme as normas internacionais indicadas nas Instruções aos Autores;
  • Publicar nas Instruções aos autores a recomendação sobre registro de ensaios clínicos;
  • Prover acesso integral ao conteúdo dos fascículos publicados, sendo a versão eletrônica de igual conteúdo ao fascículo impresso;
  • Participar da iniciativa LILACS Express ou equivalente no intuito de publicar rapidamente os metadados dos fascículos na LILACS, bem como o acesso ao texto integral dos artigos.


Revisor: pesquisador especialista em uma determinada área que busca fazer parte de corpos editoriais e conselhos de revisores de periódicos de prestígio e que são responsáveis por avaliar a qualidade dos artigos submetidos ao periódico a qual atuam. Essa atuação contribui para sua melhor avaliação enquanto pesquisador por parte das agências de fomento a pesquisa;

Dentro do fluxo de publicação LILACS o revisor deve sempre:

  • Avaliar com rigor as contribuições dos autores do periódico;
  • Checar a veracidade dos dados fornecidos pelos autores e editores;
  • Como revisor do processo de avaliação e seleção de periódicos LILACS, avaliar com rigor e aprofundamento o mérito científico dos periódicos em avaliação para indexação na LILACS.


Publicadores: são as editoras comerciais ou públicas que provéem e mantém o acessso às publicações monográficas e periódicas. Sua renda advém da venda das publicações ou do acesso ao conteúdo às publicações.

Dentro do fluxo de publicação LILACS o publicador deve sempre:

  • Garantir acesso universal ao conteúdo de suas publicações melhorando a divulgação dos resultados de pesquisas científicas.


Indexadores: instituições com fins lucrativos ou não que constróem e mantém índices bibliográficos e bibliométricos que são usados como indicadores de produção científica de pesquisadores, instituições e que são usados como medida para sua avaliação de qualidade.

Dentro do fluxo de publicação LILACS o indexador deve sempre:

  • Garantir um processo de avaliação justo e confiável do mérito científico das publicações de acordo com os critérios e procedimentos publicamente divulgados;
  • Verificar a fidedignidade do processo de publicação do documento;
  • Checar o processo de revisão por pares e documentação relacionado ao comitê de ética, registro de ensaios clínicos e declaração de conflito de interesses;
  • Selecionar as melhores publicações de cada área de cobertura do indexador;
  • Produzir índices fidedignos e confiáveis.


Bibliotecários: profissionais responsáveis pela normalização técnica das publicações e pela alimentação das fontes de informação.

Dentro do fluxo de publicação LILACS o bibliotecário deve sempre:

  • Zelar pela qualidade do aplicação de normas de publicação editorial por parte dos autores, editores e publicadores;
  • Se bibliotecário do CC, cooperar com o envio de registros descritos e indexados pelo CC para a FI LILAS;
  • Auxiliar o editor na iniciativa LILACS Express para o envio de metadados básicos dos artigos do periódico.


Usuários leitores: consumidores e avaliadores do conteúdo dos periódicos.

Dentro do fluxo de publicação LILACS o bibliotecário deve sempre:

  • Zelar pela qualidade dos dados presentes nos artigos informando sempre ao editor no caso de ocorrência de erros ou mau-entendidos na publicação;
  • Apresentar manuscritos conforme as normas editoriais do periódico;
  • Informar ao editor e órgãos competentes no momento de descoberta de plágio ou outros conflitos de interesse não declarados;
  • Informar erros aos indexadores;
  • Em breve, comentar e atribuir ranking as publicações científicas.

Processo de construção da FI LILACS

Para a publicação da FI LILACS, desde sua concepção e por definição de incentivar a criação de capacidades locais, a LILACS é produzida de forma descentralizada e cooperativa, sendo possível contribuir não somente com o envio de registros, mas também com a possibilidade de ministrar capacitações e enviar sugestões e críticas quanto a metodologia adotada.

Modeloregistros.jpg

Figura 4: Modelo de estrutura de envio de registros.

Fluxo de alimentação de LILACS

A FI LILACS é alimentada pelos Centros Cooperantes, representações e coordenadores de subredes temáticas.


Fluxo contribuicao.jpg

Figura 5: Fluxo simplificado de contribuição para a FI LILACS


A avaliação e seleção de monográficos, teses e não-convencionais para LILACS é realizada pelo bibliotecário responsável pelo CC com base no documento: “Guia de Seleção de Documentos para a Base de Dados LILACS”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-1-GuiaSelecao-pt.pdf


Avaliação e seleção de periódicos LILACS

A avaliação e seleção de títulos de periódicos LILACS é realizada pelo CCN do país em processo de avaliação e seleção de periódicos LILACS ou pela coordenação da Rede Temática, a saber, Enfermagem, Odontologia e Psicologia.

A avaliação é realizada com base no documento “Critérios de Seleção de Periódicos para a Base de Dados LILACS”, documento que pode ser acessado também em http://www.bireme.br/abd/P/crit_Selecao.htm

Será feita uma análise permanente dos periódicos indexados na base. 

Para que os periódicos permaneçam indexados na base serão avaliados os seguintes pontos:

  • Regularidade na publicação dos fascículos;
  • Não devem ficar mais de 2 anos sem serem publicados;
  • Manutenção da qualidade dos artigos;

Inserção de dados na LILACS - descrição e indexação

O LILDBI-Web (LILACS Descrição Bibliográfica e Indexxação versão Web) é o software atualmente utilizado para administração de bases de dados de acordo com a Metodologia LILACS.

Conforme o tipo de documento a ser incluido na LILACS o registro bibliográfico é criado de diferentes maneiras:

Monográficos, Teses e Não Convencionais:

  1. Para a seleção de documentos para a base de dados LILACS devem ser seguidos critérios específicos que se encontram no “Guia de Seleção de Documentos para a Base de Dados LILACS”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-1-GuiaSelecao-pt.pdf
  2. Se o CC é também representação da OPAS, por favor considerar o documento para ambos, Repositório institucional e LILACS;
  3. Para a descrição bibliográfica de documentos é utilizado o aplicativo LILDBI (LILACS Descrição Bibliográfica e Indexação) versão Web. O LILDBI é um sistema que permite a operação de forma descentralizada das tarefas de alimentação, manutenção e controle de qualidade de bases de dados bibliográficas que seguem a Metodologia LILACS. Inclui o módulo de indexação DeCS, utilizando a ferramenta DeCS Server, e a interface de pesquisa IAH para disponibilização de bases de dados em internet ou Intranet.
    1. Manual de Procedimentos do LILBDI-Web: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-3-ManualProcedimentos-pt.pdf
    2. Especificações técnicas, orientação para instalação: http://bvsmodelo.bvsalud.org/php/level.php?lang=pt&component=27&item=6 .
    3. Para orientar o preenchimento dos campos de dados definidos no formato LILACS encontra-se em o “Manual de Descrição Bibliográfica”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-2-ManualDescricao-pt.pdf.
    4. Para a indexação de documentos é utilizado o vocabulário DeCS (Descritores em Ciências da Saúde), uma tradução e adaptação do MeSH (Medical Subject Headings) da National Library of Medicine. A indexação utilizando o DeCS deve seguir as orientações contidas no “Manual de Indexação”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-4-ManualIndexacao-pt.pdf

Os Centros Cooperantes devem selecionar, descrever e indexar os documentos de sua responsabilidade, utilizando o sistema LILDBI versão Web. Após este processo os Centros Cooperantes do Brasil devem encaminhar seus registros para a BIREME ou para a instituição coordenadora da sub-rede, e os Centros dos demais países da América Latina e Caribe devem encaminhar seus registros para a instituição coordenadora do país. Cada Centro Coordenador deve encaminhar os registros à BIREME. A BIREME realiza o controle de qualidade dos registros e alimenta a base LILACS, cuja atualização em http://www.bireme.br/ é feita semanalmente.

Para a alimentação de bases de dados referenciais foi criada a Metodologia LILACS, que consiste em um conjunto de normas, manuais, guias e aplicativos, a saber:


Artigos de Periódicos

Ao iniciar a descrição do artigo de periódico verificar se o título abreviado da revista encontra-se na lista apresentada no
campo Título [30]. Caso não esteja presente e o CC não seja participante de Rede temática, por favor consultar as instruções
sobre como realizar a atualização de suas bases auxiliares:
http://wiki.bireme.org/pt/index.php/Manual_de_gest%C3%A3o_da_FI_LILACS#Instala.C3.A7.C3.A3o_e_Atualiza.C3.A7.C3.B5es_necess.C3.A1rias_ao_software
Se participante de Rede temática, consulte sua coordenação da Rede.
  1. Para a seleção de artigos a serem indexados para a base de dados LILACS consulte o documento “Guia de Seleção de Documentos para a Base de Dados LILACS”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-1-GuiaSelecao-pt.pdf item: 5.1.2 Seleção de artigos de periódicos LILACS;
  2. Se o CC é também representação da OPAS e o periódico for produzido pela OPAS, por favor considerar o periódico para ambos, Repositório institucional e LILACS;
  3. Se o periódico for LILACS e o editor não for cadastrado no LILACS Express, descrever, indexar e certificar o artigo via LILDBI-Web;
  4. Se o periódico for LILACS e o editor for cadastrado no LILACS Express, verificar descrição bibliográfica enviada pelo editor via LILACS Express e importar dados do fascículo para o LILDBI-Web para revisão da descrição e incluir descritores de assunto aos artigos;
  5. Se o periódico for LILACS e SciELO, verificar descrição bibliográfica carregada via SciELO e importar dados do fascículo para o LILDBI-Web para revisão da descrição e incluir descritores de assunto aos artigos;
  6. Se o periódico for LILACS e MEDLINE, a descrição e indexação serão carregados automaticamente na LILACS;
  7. Se o periódico for LILACS, SciELO e MEDLINE, a descrição será carregada via SciELO e a indexação via MEDLINE.

Consultar os manuais abaixo para o desenvolvimento das atividades acima:

    1. Manual de Procedimentos do LILBDI-Web: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-3-ManualProcedimentos-pt.pdf
    2. Especificações técnicas, orientação para instalação: http://bvsmodelo.bvsalud.org/php/level.php?lang=pt&component=27&item=6 .
    3. Para orientar o preenchimento dos campos de dados definidos no formato LILACS encontra-se em o “Manual de Descrição Bibliográfica”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-2-ManualDescricao-pt.pdf.
    4. Para a indexação de documentos é utilizado o vocabulário DeCS (Descritores em Ciências da Saúde), uma tradução e adaptação do MeSH (Medical Subject Headings) da National Library of Medicine. A indexação utilizando o DeCS deve seguir as orientações contidas no “Manual de Indexação”: http://metodologia.lilacs.bvs.br/download/P/LILACS-4-ManualIndexacao-pt.pdf


Casos especiais

Controle de Qualidade

A BIREME, sendo responsável pelo controle de qualidade da base, ao receber os registros de seus Centros Cooperantes faz uma análise dos mesmos, encaminhando para a LILACS apenas aqueles que estejam de acordo com os critérios da base. Após esse processo, informa o Centro Cooperante sobre os registros que não foram aceitos, indicando o motivo.

Envio de registros

  • Processo de envio de registros para inclusão na LILACS regional, seguir o tutorial abaixo:

http://wiki.reddes.bvsalud.org/index.php/Envios_LILACS

Cópias de segurança (backup)

Instalação e Atualizações necessárias ao software

O software adotado para cooperação com a LILACS é o LILDBI-Web. Veja como fazer a instalação do software:

Instalando LILDBI-Web


Para o uso otimizado desse software é essencial que todas as atualizações necessárias sejam realizadas pelo CC pelo menos a cada 3 meses, visto que constantemente o LILDBI-Web é atualizado.

Somada à atualização das versões do LILDBI-Web, é de igual importância a atualização das bases auxiliares, que facilitam e normalizam ou padronizam a entrada de dados específicos.


  • A atualização do software deve ser realizada sempre que houver lançamento de nova versão que será anunciada em todos os canais de comunicação da LILACS: twitter, blog, site da Metodologia e lista de distribuição dos CC LILACS.
A versão atual do LILDBI-Web é 1.7a
  • A atualização dos títulos abreviados dos periódicos LILACS deve ser realizada DUAS VEZES POR SEMANA.

Acesse as instruções:

Atualização das bases auxiliares

LILDBI-Web-leiame-bases-auxiliares

http://wiki.reddes.bvsalud.org/index.php/Atualiza%C3%A7%C3%A3o_das_bases_auxiliares

http://wiki.reddes.bvsalud.org/index.php/LILDBI-WEB-leiame-bases-auxiliares

  • A atualização do DeCS (Descritores em Ciências da Saúde) deve ser realizada ANUALMENTE.

Acesse as instruções:

Atualização das bases auxiliares

LILDBI-Web-leiame-base-DeCS http://wiki.reddes.bvsalud.org/index.php/Atualiza%C3%A7%C3%A3o_das_bases_auxiliares

http://wiki.reddes.bvsalud.org/index.php/LILDBI-WEB-leiame-bases-DeCS

Interoperabilidade com outras fontes de informação

Interoperabilidade segundo o Guia da BVS 2011 significa "a integração e comunicação entre as fontes e fluxos de informação, tanto entre suas instâncias como entre estas e outras redes associadas".

Em termos de serviços da BVS, a interoperabilidade ocorre quando é realizada a:

  • Metabusca a partir da página principal da BVS e os resultados são apresentados todos juntos de diversas fontes de informação;
  • Importação e exportação de registros de uma FI a outra;
  • Coleta de dados (harvesting) de outras FI, entre outros exemplos.

Para LILACS algumas iniciativas estão em desenvolvimento:

==>Interoperabilidade entre LILACS e Dublin Core Qualified

Contato

Para entrar em contato com a equipe LILACS acesse: Canais de comunicação LILACS


Links de interesse:

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia dos aplicativos customizados para atender às demandas específicas de gestão da informação da BVS MS no âmbito do Ministério da Saúde. Brasília: MS, 2009. (Normas e Manuais técnicos)

Conceição, Maria Anália da. Rede de informação em Ciências da Saúde na América Latina e no Caribe: as metodologias da BVS e o controle bibliográfico. In: Encontro de Estudos e Pesquisas em Catalogação, 5. Belo Horizonte: UFMG, 19-20 ago. 2010.

1 Abdala, Verônica. Rede de Cooperação da BVS: quem somos. Comunidade virtual. In: Reunião da rede brasileira de informação em Ciências da Saúde, 10. Reunião de Coordenação da BVS Brasil, 2. Natal: BIREME, 17 out. 2004.

Leite, Maria Piedade R. R. BDENF - Base de dados em enfermagem.

Packer, Abel Laerte. A construção coletiva da Biblioteca Virtual em Saúde. Interface (Botucatu) vol.9 no.17 Botucatu Mar./Aug. 2005. doi: 10.1590/S1414-32832005000200004. Acesso em 10/05/2011

BVS Psi; ULAPSI Brasil. Termo de Compromisso por adesão. Acesso em 10/05/2011

REVISAR E COMPLETAR http://crics3.bvsalud.org/cgi-bin/crics3/text0?id=crics3-mr1.2-mr1.2.2-04