Mudanças entre as edições de "Interoperabilidade entre LILACS e FI"

De Wiki.bireme.org/pt
Ir para: navegação, pesquisa
Linha 21: Linha 21:
  
 
Conforme Fusco (2010)
 
Conforme Fusco (2010)
  Do ponto de vista da interoperabilidade de informações é necessária a
+
  Do ponto de vista da interoperabilidade de informações é necessária a compreensão de três níveis de características no intercâmbio
compreensão de três níveis de características no intercâmbio das informações:
+
das informações: semântico, estrutural e sintático.
semântico, estrutural e sintático.
+
 
 
  a) Nível Semântico
 
  a) Nível Semântico
  Este nível permite entender o significado de cada elemento descritor do
+
  Este nível permite entender o significado de cada elemento descritor do recurso em conjunto com as associações nele embutidas.
recurso em conjunto com as associações nele embutidas. Segundo Moura (2002),
+
Segundo Moura (2002), o uso de vocabulários específicos, ontologias e/ou padrões de metadados são essenciais para assegurar esse
o uso de vocabulários específicos, ontologias e/ou padrões de metadados são
+
tipo de interoperabilidade.
essenciais para assegurar esse tipo de interoperabilidade.
+
 
  De acordo com Marino (2001), existem dois subníveis no nível semântico:
 
  De acordo com Marino (2001), existem dois subníveis no nível semântico:
  • Epistemológico: relacionado ao significado dos elementos descritores do
+
  '''• Epistemológico:''' relacionado ao significado dos elementos descritores do formato e das relações nele existentes;
formato e das relações nele existentes;
+
  '''• Ontológico:''' relacionado ao uso de ontologias, vocabulários controlados e padrões de metadados para o estabelecimento dos
  • Ontológico: relacionado ao uso de ontologias, vocabulários controlados e
+
significados dos dados representados.
padrões de metadados para o estabelecimento dos significados dos dados representados.
+
  Como exemplo desse nível de interoperabilidade pode-se destacar os campos que têm o mesmo significado entre elementos descritivos de
  Como exemplo desse nível de interoperabilidade pode-se destacar os
+
padrões de representação como o MARC21.
campos que têm o mesmo significado entre elementos descritivos de padrões de
+
 
representação como o MARC21.
+
 
  b) Nível Estrutural
 
  b) Nível Estrutural
  Este nível estabelece cada elemento componente de um padrão de
+
  Este nível estabelece cada elemento componente de um padrão de metadados, descreve os seus tipos, a escala de valores possíveis para
metadados, descreve os seus tipos, a escala de valores possíveis para esses
+
  esses elementos e os mecanismos utilizados para relacionar esses elementos de modo a que possam ser processados de forma automática.
  elementos e os mecanismos utilizados para relacionar esses elementos de modo a
+
Como exemplo pode-se destacar os padrões de metadados Dublin Core (DC) e MARCXML.
que possam ser processados de forma automática. Como exemplo pode-se
+
 
destacar os padrões de metadados Dublin Core (DC) e MARCXML.
+
 
  c) Nível Sintático
 
  c) Nível Sintático
  Barreto (1999, p. 85), afirma que “a sintaxe fornece uma linguagem comum
+
  Barreto (1999, p. 85), afirma que “a sintaxe fornece uma linguagem comum para representar a estrutura dos metadados”. Este nível de
para representar a estrutura dos metadados”. Este nível de interoperabilidade
+
  interoperabilidade define como os metadados devem ser codificados para a transferência de informações. Como exemplo apresenta-se a
  define como os metadados devem ser codificados para a transferência de
+
linguagem XML (eXtensible Markup Language) na gerência da troca de informações.
informações. Como exemplo apresenta-se a linguagem XML (eXtensible Markup
+
Language) na gerência da troca de informações.
+
  
 
[[Category:LILACS]]
 
[[Category:LILACS]]

Edição das 14h20min de 12 de julho de 2011

Interoperabilidade é a integração e comunicação entre as fontes e fluxos de informação, tanto entre suas instâncias como entre estas e outras redes associadas. [Guia da BVS 2011)

A interoperabilidade entre as fontes e fluxos de informação é determinante para a convergência dos dados e conteúdos produzidos e operados pelas instâncias geográficas e temáticas da BVS de forma descentralizada numa única rede. A interoperabilidade é portanto, uma diretriz estratégica para a sustentabilidade do marco de operacional de trabalho em rede da BVS.

Seguindo este modelo conceitual, a BVS integra e interopera metodologias e tecnologias por meio de sistemas de informação de forma colaborativa. Os sistemas são organizados em camadas, ou níveis de processamento, esquematizados a seguir:

nível dado – contém os arquivos ou bases de dados com os registros de conteúdos. Os arquivos de dados estão acessíveis baseando-se em protocolos de acesso aberto, o que permite sua indexação por mecanismos de busca ou indexadores;

nível índice – contém os arquivos de índices para recuperação dos dados organizados nos sistemas ou bases de dados. Essa camada é representada por diferentes indexadores aplicados aos mesmos arquivos de dados.

nível interface – conjunto de diferentes interfaces, na maioria páginas Web, mas incluindo-se também telefonia móvel, TV digital, entre outros, que acessam os índices para recuperação e navegação nos conteúdos. As interfaces são, portanto, ilimitadas em número e formatos de apresentação.

Interoperabilidade.jpg

Níveis de interoperabilidade

Segundo Arms (2002) citado por Fusco (2010), a interoperabilidade tem como objetivo desenvolver serviços coerentes para os usuários, utilizando recursos informacionais que são tecnicamente diferentes e gerenciados por variadas organizações. Isto requer acordos de cooperação em três níveis:

Niveis interoperabilidade.jpg

Conforme Fusco (2010)

Do ponto de vista da interoperabilidade de informações é necessária a compreensão de três níveis de características no intercâmbio
das informações: semântico, estrutural e sintático.
a) Nível Semântico
Este nível permite entender o significado de cada elemento descritor do recurso em conjunto com as associações nele embutidas.
Segundo Moura (2002), o uso de vocabulários específicos, ontologias e/ou padrões de metadados são essenciais para assegurar esse
tipo de interoperabilidade.
De acordo com Marino (2001), existem dois subníveis no nível semântico:
• Epistemológico: relacionado ao significado dos elementos descritores do formato e das relações nele existentes;
• Ontológico: relacionado ao uso de ontologias, vocabulários controlados e padrões de metadados para o estabelecimento dos
significados dos dados representados.
Como exemplo desse nível de interoperabilidade pode-se destacar os campos que têm o mesmo significado entre elementos descritivos de
padrões de representação como o MARC21.
b) Nível Estrutural
Este nível estabelece cada elemento componente de um padrão de metadados, descreve os seus tipos, a escala de valores possíveis para
esses elementos e os mecanismos utilizados para relacionar esses elementos de modo a que possam ser processados de forma automática.
Como exemplo pode-se destacar os padrões de metadados Dublin Core (DC) e MARCXML.
c) Nível Sintático
Barreto (1999, p. 85), afirma que “a sintaxe fornece uma linguagem comum para representar a estrutura dos metadados”. Este nível de
interoperabilidade define como os metadados devem ser codificados para a transferência de informações. Como exemplo apresenta-se a
linguagem XML (eXtensible Markup Language) na gerência da troca de informações.