Bvs mocambique

De Wiki.bireme.org/pt
Revisão de 15h32min de 19 de novembro de 2012 por Juliana.sousa (Discussão | contribs) (Histórico)

Ir para: navegação, pesquisa

Histórico

  1. Quanto a questão que apresentei: DISCREPÂNCIA DE DADOS quando se pesquisa na BVS-site (campo de metabusca) e pesquisar no LILDBI (Administração), acho preocupante e o apoio dos técnicos é importante.
  2. Já apresentei esta situação ao grupo de apoio, mas nunca nos foi possível obter uma solução. Estamos com muita dificuldade e medo de alimentar a nossa BVS Moçambique para não termos que perder os dados como aconteceu na transferência de dados do ISIS para LILDBI, onde foi necessário fazer-se a conversão dos dados e, isso fez com que se perdessem alguns dados.
  3. Se estiver lembrado, Mori, a BVS Moçambique, depois de constituída, comportou 3721 registos trazidos da base de dados RDSM em MicroISIS em offline. Ver no endereço seguinte, os registos importados da base de dados RDSM em MicroISIS para BVS.(http://mocambique.eportuguese.org/cgi-bin/wxis.exe/iah/rdsm/). Foi muito trabalhosa a conversão e alguns dados se perderam.
  4. Como estes registos não têm os textos completos (PDF) e o MicroISIS em offline instalado na nossa Biblioteca não possui esta componente, houve a necessidade de migrar para o LILDBI, processo que exigiu muita mudança.
  5. Feito isso, começamos de zero o registo de dados em www.bvs.org.mz, RDSM, (http://www.bvs.org.mz/cgi-bin/wxis1660.exe/lildbi/iah/?IsisScript=lildbi/iah/iah.xis&base=LILACS&lang=p) onde foram registados 15 documentos (que era possível a sua visualização até ontem e hoje já não) apresentando o seguinte: WXIS|fatal error|unavoidable|dbxopen: /bvs/bases/lildbi/dbcertif/lilacs/LILACS.xrf (2)|. Mas antes deste erro era possível visualizá-los.
  6. A mesma base de dados, quando acessada a partir de http://www.bvs.org.mz/lildbi/index_pt.htm, apresenta 20 registos. Portanto, foram acrescidos 5 registos e estes não são visíveis em BVS-site-RDSM.
  7. Mori! O que deve estar a acontecer? Má indicação do caminho para serem visualizados? Registos mal feitos? Alguma configuração em falta? Ou é preciso mudar a base LILACS apresentada no LILDBI para RDSM, e como isso poderá ser feito?
  8. Também, seria importante que pudesse ver a situação actual do nosso servidor e da BVS para melhor estruturar a solução dos problemas. Para efeito, poderá contactar o Délsio Cabá - Técnico que está assessorando a BVS Moçambique para cedência das senhas.
  9. Fiz tambem uma outra instalacao separada em linux: teste2.bvs.org.mz. Essa ja abre a pagina. Mas o lildbi nao funciona

Nota: É importante lembrá-lo que o servidor está configurado com ambiente windows e não linus como o mais recomendado.


16 de Março de 2012 - Alfredo escreveu: Quanto as atividades da BVS Moçambique, dizer o seguinte:

  1. Terminamos ontem dia 15 de Março de 2012 o treinamento sobre alimentação da base RDSM com recurso a LILDBI. Este treinamento contou com a participação de todas as instituições de/e ligadas à Saúde em Moçambique. Estas vão fazer parte do Comité executivo. O treinamento contou com a coordenação da Fiocruz.
    • O treinamento também serviu para revisar todo o processo da BVS Moçambique, tendo culminado na instalação do segundo servidor que estava na OMS em ambiente linus, o que permitiu a solução do problema do upload. Agora já é possível fazer upload sem problemas. [Délsio (Moçambique)/Leonardo (Fiocruz) poderão explicar melhor os procedimentos técnicos operados].
  2. O que é facto, o servidor antigo ainda continua com ambiente windows (com 15 registos) e acredito que Délsio vai fazer os devidos ajustes com relação ao actual servidor em linus. Nota importante é que já foi feita a exportação dos 15 registos de windows para linus. Agora falta o processo de correcção.
  3. Com relação a base de dados MOZDOC da OMS, talvez agora com o novo servidor a funcionar se possa fazer a sua transferência (Délsio poderá explicar).
  4. O link da BVS Moçambique é http://www.bvs.org.mz.
  5. Na nova instalação da BVS Moçambique em ambiente linus, alguns aspectos estão merecendo consideração:
    • apresentam-se erros ortográficos em todos os campos. Ex: administração da base de dados (logo ao entrar no LILDBI) como em todos outros campos da planilha de recolha de dados.
    • apresenta erro no campo de identificação da instituição (MZ1). Este campo nos vai ser importante para identificação das instituições cooperantes treinadas para tal.
    • Pretendemos avancar com a colocacao dos conteudos na nossa base de dados lildbi que ja esta funcional.
  6. Entretanto ao fazer-se uma busca no website www.bvs.org.mz existem discrepancias nos resultados da busca. #*Ao pesquisar-se com o caracter $ temos resultados diferentes:

Encaminhamentos da reunião realizada em 19/11/12

1. Revisão dos parâmetros de pesquisa do BVS-site disponível em: http://www.bvs.org.mz [Juliana Sousa - até 26/11/2012]

2, 3 e 4.

  • Os 3721 registros não estão na base LILDBI disponível na BIREME, eles estão disponíveis apenas através do iah da BVS.
  • Alfredo informou que algumas atividades foram feitas mas não foi possível concluir, nesse sentido, lele optaram por começar do zero a entrada de registros no LILDBI instalado em Moçambique que hoje comporta 20 registros.
    • Decisão - A BVS e seus aplicativos continuarão na BIREME e até que tenhamos todas os aplicativos instalados e funcinando em moçambique retomaremos o processo de migração, assim será utilizado o nosso servidor (LILDBI) para ingressar registros.
      • Alfredo e Flatiel informaram que por enquanto não será trabalhado os 3721 registros pois tem muito coisa que precisa ser revisado e isso levaria muito tempo.
      • Encaminhamentos: Migrar os 20 registros atualizados que estão no LILBI de Moçambique base=LILACS&lang=p para o nosso lildbi-web para que o Alfredo e a equipe de Moçambique continue alimentando a base.

5. Os 20 registros inseridos através do LILDBI instalado em Moçambique está disponível e é possível visualizá-los, ou seja, o erro apresentado não consta mais.

6. Problema pode estar relacionada com os parâmetros de meta pesquisa [Juliana Sousa - até 26/11/2012].

  • Transferência de dados do ISIS para LILDBI
      • 3700 registros --> na migração para o lilacs entrou 3000 registros no lildbi-web
      • Onde está esses 3000 registros - não tem o pdf
        • Esse arquivo ISO é a metodologia LILACS
      • fazer a migração para o lildbi em WINDOWS
      • Não foi possível fazer a migração para o lildbi-web em LINUX
      • esses dados estavam sendo ingressados no WINISiS
      • Decisão - será utilizado o nosso servidor para ingressar registros
      • Encaminhamentos: colocar os 20 registros que estão atualizados atualmente para o nosso lildbi-web e depois disponibilizar para o usuário final.
      • por enquanto não será trabalhado os 3700 registros
      • existem mais ou menos 3000 registros revisados, será avaliado a necessidade de colocar no lildbi-web.

8. A BIREME não acessa servidor externo, tentaremos prestar o suporte necessário para que o Técnico contratado pela equipe de Moçambique (Delsio) possa realizar os ajustes necessários.

9. O ideal é trabalhar no ambiente em que o técnico que está apoiando tenha conhecimento e domínio, a BIREME utiliza LINUX.

10. Leonardo da Fiocruz informou que para o ano que vem será possível realizar outro treinamento para a equipe de Moçambique mas reforçou a necessidade de ter equipe de tecnologia (informática) no país participando full time do treinamento para que tenhamos resultados mais satisfatórios. Nesse sentido, BIREME apoderá apoiar em algumas atividades mesmo que remotamente.

11. Os 15 ou 20 registros já em LINUX serão migrados p/ os servidores da BIREME para que possam dar continuidade a atividade de alimentação da base, asim que o processo estiver finalizado informaremos à equipe de Moçambique e enviaremos as instruções e dados de acesso.

12. Como os dados serão trabalhados nos servidores da BIREME, apenas depois de termos todos os processos consolidados com a Base RDSM iniciaremos o mesmo para a base MOZDOC da OMS.

13, 14 e 15. Serão revisados pelas equipes BIREME, FIOCRUZ e Moçambique para ajustes.