Interoperabilidade entre LILACS e FI

De Wiki.bireme.org/pt
Ir para: navegação, pesquisa

Interoperabilidade é a integração e comunicação entre as fontes e fluxos de informação, tanto entre suas instâncias como entre estas e outras redes associadas. [Guia da BVS 2011)

A interoperabilidade entre as fontes e fluxos de informação é determinante para a convergência dos dados e conteúdos produzidos e operados pelas instâncias geográficas e temáticas da BVS de forma descentralizada numa única rede. A interoperabilidade é portanto, uma diretriz estratégica para a sustentabilidade do marco de operacional de trabalho em rede da BVS.

Seguindo este modelo conceitual, a BVS integra e interopera metodologias e tecnologias por meio de sistemas de informação de forma colaborativa. Os sistemas são organizados em camadas, ou níveis de processamento, esquematizados a seguir:

  • nível dado – contém os arquivos ou bases de dados com os registros de conteúdos. Os arquivos de dados estão acessíveis baseando-se em protocolos de acesso aberto, o que permite sua indexação por mecanismos de busca ou indexadores;
  • nível índice – contém os arquivos de índices para recuperação dos dados organizados nos sistemas ou bases de dados. Essa camada é representada por diferentes indexadores aplicados aos mesmos arquivos de dados.
  • nível interface – conjunto de diferentes interfaces, na maioria páginas Web, mas incluindo-se também telefonia móvel, TV digital, entre outros, que acessam os índices para recuperação e navegação nos conteúdos. As interfaces são, portanto, ilimitadas em número e formatos de apresentação.

Interoperabilidade.jpg

Níveis de interoperabilidade

Segundo Arms (2002) citado por Fusco (2010), a interoperabilidade tem como objetivo desenvolver serviços coerentes para os usuários, utilizando recursos informacionais que são tecnicamente diferentes e gerenciados por variadas organizações. Isto requer acordos de cooperação em três níveis:

Niveis interoperabilidade.jpg

Conforme Fusco (2010)

Do ponto de vista da interoperabilidade de informações é necessária a compreensão de três níveis de características no intercâmbio
das informações: semântico, estrutural e sintático.
a) Nível Semântico
Este nível permite entender o significado de cada elemento descritor do recurso em conjunto com as associações nele embutidas.
Segundo Moura (2002), o uso de vocabulários específicos, ontologias e/ou padrões de metadados são essenciais para assegurar esse
tipo de interoperabilidade.
De acordo com Marino (2001), existem dois subníveis no nível semântico:
• Epistemológico: relacionado ao significado dos elementos descritores do formato e das relações nele existentes;
• Ontológico: relacionado ao uso de ontologias, vocabulários controlados e padrões de metadados para o estabelecimento dos
significados dos dados representados.
Como exemplo desse nível de interoperabilidade pode-se destacar os campos que têm o mesmo significado entre elementos descritivos de
padrões de representação como o MARC21.
b) Nível Estrutural
Este nível estabelece cada elemento componente de um padrão de metadados, descreve os seus tipos, a escala de valores possíveis para
esses elementos e os mecanismos utilizados para relacionar esses elementos de modo a que possam ser processados de forma automática.
Como exemplo pode-se destacar os padrões de metadados Dublin Core (DC) e MARCXML.
c) Nível Sintático
Barreto (1999, p. 85), afirma que “a sintaxe fornece uma linguagem comum para representar a estrutura dos metadados”. Este nível de
interoperabilidade define como os metadados devem ser codificados para a transferência de informações. Como exemplo apresenta-se a
linguagem XML (eXtensible Markup Language) na gerência da troca de informações.

Camadas.jpg

Mudancas.jpg

Referências

Packer, Abel Laerte. A biblioteca de cada um. Seminário Internacional de Bibliotecas Digitais Brasil, São Paulo, 18-20 set. 2007. Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&cd=1&ved=0CBsQFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.bibliotecadigital.unicamp.br%2Fdocument%2F%3Fdown%3D23443&ei=xZrjTYXwOMuRgQfVusCZBg&usg=AFQjCNFQoOO6GXbO9avYn8kb8W-nRUPFHQ

Fusco, Elvis. Modelos conceituais de dados como parte do processo de catalogação: perspectiva do uso dos FRBR no desenvolvimento de catálogos bibliográficos digitais. Tese de Doutorado. Marília: Unesp, 2010. Disponível em: http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/fusco_e_do_mar.pdf

Ramalho, Luciano. NoSQL na BIREME/OPAS/OMS: 20 anos de experiência. Disponível em: http://www.slideshare.net/ramalho/nosql-na-bireme-20-anos-de-experincia

http://www.slideshare.net/Modesto/da-ficha-lascada-aos-metadados-novos-rumos-para-a-catalogao?src=related_normal&rel=4768248

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19651997000100008

A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information System (OAIS) Digital preservation and the Open Archival Information System (OAIS) por Katia P. Thomaz e Antonio José Soares http://www.dgz.org.br/fev04/Art_01.htm

Sayão, Luis Fernando. http://www.documentoseletronicos.arquivonacional.gov.br/Media/publicacoes/ctdemetadadospreservacaodigitalsayao.pdf

http://www.digitalpreservationeurope.eu/preservation-training-materials/files/oais-reference-model.ppt

http://www.sherpadp.org.uk/documents/wp44-preservation-metadata.pdf

http://www.national.archives.gov.za/rms/NARS_DMLIB-4915-v1-NARS_DMLIB-Managing_electronic_records_metadata_requirements.PDF

http://kmr.nada.kth.se/papers/SemanticWeb/FromInteropToHarm-MikaelsThesis.pdf